quinta-feira, 19 de novembro de 2020

A morte chega cedo!

 

A morte chega cedo

                       A morte chega cedo,

                               Pois breve é toda vida

                               O instante é o arremedo

                               De uma coisa perdida.


                              O amor foi começado,

                              O ideal não acabou,

                              E quem tenha alcançado

                             Não sabe o que alcançou.

                                            

                 E a tudo isto a morte

                 Risca por não estar certo

                 No caderno da sorte

                 Que Deus deixou aberto.

Fernando Pessoa


11-9-1933

Poesias. Fernando Pessoa. (Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995).  - 175.

Fonte: http://arquivopessoa.net/textos/2254



0 comentários:

Publicar um comentário